FADISMA - Notícias - Lobby Desvendado: Por Milton Seligman, na FADISMA

Fadisma - Faculdade de Direito de Santa Maria

Notícias

Central de Notícias

Lobby Desvendado: Por Milton Seligman, na FADISMA

Lobby Desvendado: Por Milton Seligman, na FADISMA

  •  

Palestrante ilustre falou com exclusividade à comunidade acadêmica

Milton Seligman, Bruno Menezes, Adriano Puerari e Ricardo Coelho na abertura da palestra

 

No último sábado (10), a FADISMA recebeu o Professor Milton Seligman, ex-Ministro da Justiça no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, e coautor do livro "Lobby Desvendado", para uma conversa em sala de aula sobre o tema que ilustra sua obra.

A ocasião, organizada pelo Grupo de Estudos em Compliance, vinculado ao Núcleo de Segurança Cidadã, enriqueceu a formação dos alunos, que puderam absorver um pouco da vivência do profissional.

“A fala do prof. Milton Seligman assume um tema de protagonismo no âmbito dos estudos do GEI - Compliance, integridade e práticas anticorrupção na medida em que as relações entre o Público e o Privado, no contexto do lobby, atravessam um momento muito importante no país, especialmente a partir da Lei Anticorrupção Empresarial e dos programas de integridade dos entes privados a fim de evitar praticas corruptivas. Enquanto o lobby é prática regulamentada em países como os Estados Unidos e a Inglaterra, aqui no Brasil se trata de uma questão ainda muito sensível e que merece, portanto, o devido aprofundamento.” – relatou o coordenador do grupo, Prof. Adriano Puerari.

O lobby é um tema controverso para muitas pessoas – tão logo lê-se a palavra lobby, ocorre a associação com a corrupção. Porém, essa associação nem sempre é correta. Caracteriza-se lobby quando os interesses privados de uma instituição tentam interferir nas políticas públicas, ou seja, a atuação do lobista é investir sobre o poder público em prol de uma entidade privada. Mas não seria isso uma forma de corrupção ou manipulação?

Depende. Nos Estados Unidos, o lobby possui regulamentação e diretrizes – não é qualquer pessoa, em qualquer momento, que irá conseguir emplacar algo de interesse próprio ou corporativo numa agenda parlamentar, por exemplo. É preciso respeitar o protocolo de agenda, pública, onde o lobista, representante da empresa tal, irá visitar o ator político, no seguinte horário pré-agendado, que ficará documentado para que qualquer pessoa veja. Trata-se, portanto, de uma visita registrada como qualquer outra – e é aqui que se mata a charada: se tudo é público, as pessoas podem questionar e argumentar com clareza sobre como o lobby afeta a campanha ou mandato da figura que representa o Estado nessa relação.

Para Milton, o fato de ainda não haver uma regulamentação sobre o lobby no Brasil afeta as relações de poder e propicia um cenário de tráfico de influência.

“O patrimonialismo e a informalidade estão arraigados na nossa sociedade, o agente público tem a ideia que de o Estado é seu, o poder é seu, logo, joga de acordo com os seus interesses. O Estado criou tal forma de se relacionar que hoje é impossível distinguir o público do privado” – disse o palestrante.

Sala lotada para acompanhar a fala de Milton

 

Para os organizadores, um momento como o de sábado é a realização plena da academia, quando se aproxima os objetos de seus estudos.

“De nada adianta encastelar-se em teorias inaplicáveis, enquanto os problemas do mundo se apresentam insolúveis. A importância de um evento desta natureza é demonstrar que há campo para o estudo científico, em busca de soluções concretas a uma situação que tem sido extremamente presente nas páginas políticas e policiais de nossos jornais diários, quando o assunto é a Lava-Jato” - comenta o Prof. Bruno Menezes, um dos organizadores do encontro.

As fotos estão disponíveis no Facebook da FADISMA.

 

Unidade de Comunicação

comunicacao@fadisma.com.br

Notícias Recentes

Categorias

Arquivo

VOLTAR
© 2015. FADISMA. Todos os direitos reservados. beagle ship criacao sites